Meme Gamer: O Que Você Jogou em 2018

 

Entre mudanças de viés profissional, mudança de residência, estudos, problemas de saúde e descrença para com o mundo do “jornalismo gamer”, meu ano de 2018 foi marcado por meu afastamento, quase que completo, desse meio. Deixei de escrever para o grupo Game Hall, interrompi alguns projetos que estava embrionariamente tocando e literalmente não criei nenhum novo conteúdo para o blog desde o texto de minha participação no “Meme Gamer” de 2017.

Se houve uma coisa que não deixei de fazer foi jogar vídeo game, afinal de contas a gente nunca se esquece do primeiro amor verdadeiro. Assim sendo, eis que aqui estou novamente, garantindo a minha participação em mais um “Meme Gamer”.

Assim como no ano passado, serei o mais sucinto o possível na explanação de cada jogo, bem como omitirei alguns jogos, me atendo ao que eu considere mais importante. Por fim, a lista é composta por jogos que eu tenha jogado em 2018, o que por certo não significa que tenham sido necessariamente lançados no referido ano.

Agora que já leram toda a ladainha acima, vamos começar minha lista para o glorioso “Meme Gamer: O Que Você Jogou em 2018”!

TOMB RAIDER (Vários)

Visando escrever uma série de textos especiais para o grupo criador de conteúdo Game Hall (do qual infelizmente apenas o primeiro veio à luz do dia) joguei uma vez mais vários jogos da franquia Tomb Riader.

Sendo específico joguei Tomb Raider 1, 2, 3, The Last Revelations, Chronicles e The Angel of Darkness.

Após essa maratona com a senhorita Croft, continuei com minhas prerrogativas para com esses jogos inalteradas: o meu faorito ainda é Tomb Raider 2 e o pior deles com certeza é The Angel of Darkness.

Deixo AQUI o texto que escrevi (e do qual senti relativo orgulho) para o Game Hal e que infelizmente não teve as continuações que planejei.

RISE OF THE TOMB RAIDER (Playstation 4)

Continuação direta do reboot de 2013, Rise of the Tomb Raider basicamente visa expandir tudo o que foi apresentado em seu antecessor, mesmo que mantenha os princípios de construção de mundo e mecânicas de gameplay.

Destaques para a maior quantidade de puzzles que demandam de interação com o ambiente, maior importância para com a caçada a animais selvagens e expansão da história, mesmo que um pouco forçada.

Apesar de possuir basicamente as mesmas qualidades do game anterior, a história não consegue passar o mesmo tom de urgência e isso, pessoalmente, pesou bastante ao longo da jogatina.

É claro que recomendo que todo fã do gênero experimente Rise of the Tomb Raider, mas acredito veementemente que no geral Tomb Raider (em especial a Definitive Edition) é um jogo melhor.

SONIC ADVENTURE 2 HD (Playstation 3)

Desde que Sonic adentrou de vez no universo tridimensional nenhum outro jogo me deixou com tanto hype em seu pré-lançamento que Sonic Adventure 2.

Lançado originalmente no fim de vida do Dreamcast, Sonic Adventure 2 impressionou com visual coloridos, polidos e rodando a incríveis 60fps. Isso mesmo, um jogo que rodava a 60fps cravados nas idas dos anos 2000.

Aproveitando de uma boa promoção, o adquiri em sua versão HD para Playstation 3 e fiquei muito feliz em ver que quase tudo o que eu sentia por ele antigamente se manteve, ou seja, ele venceu o “desafio da nostalgia”.

Ainda senti os mesmos arrepios de outrora na batalha final. Climática, com uma trilha sonora incrível e uma épica participação de Shadow the Hedgehog.

FINAL FANTASY XII: THE ZODIAC AGE (Playstation 4)

Se houve um jogo que eu esnobei em seu lançamento foi Final Fantasy XII. O protagonista sem carisma, mudança drástica na estrutura do jogo quando comparado a seus antecessores e o acesso a muitos bons jogos no período, ignorei o último jogo da franquia lançado para Playstation 2 com um gosto amargo na boca.

Eis que anos depois, já no Playstation 4, dou a FFXII sua merecida honesta chance e eis que descobri um dos melhores jogos da franquia e do gênero. O sistema Gambit por si só merece todos os louvores possíveis.

The Zodiac Age ainda conta com melhorias que nunca antes haviam sido lançadas “do lado de cá” do mundo e elas realmente fazem grande diferença. Com certeza essa é a melhor versão do game e merece a sua atenção.

Esse jogo recebeu uma análise minha para o Game Hall. Para acessá-la, basta clicar AQUI.

STREET FIGHTER: 30th ANNIVERSARY COLLECTION (Playstation 4)

Não há nada que eu possa dizer sobre essa coletânea que eu já não tenha dito na “minienciclopédia” que escrevi para o Game Hall. Inicialmente não era para ser um review, mas sim um especial, entretanto acabou se transformando em uma análise.

Humildemente recomendo a leitura do texto, mesmo que enorme. Para acessá-lo, clique AQUI.

CRASH BANDICOOT N.SANE TRILOGY (Playstation 4)

Eu estive muito ansioso por essa coletânea. Tenho ótimas recordações dos games originais no Playstation e revivê-las com uma nova roupagem me parecia ser uma oportunidade de vida única. Parecia.

Infelizmente, e isso é uma opinião absolutamente pessoal, o gameplay de Crash Bandicoot datou muito. Me incomodou. Não terminei o remake do primeiro e nem o do segundo. O terceiro jogo me animou um pouco mais e fui até o fim.

Realmente existem experiências passadas que não devemos revisitar, que são melhores deixar em nossas memórias, intocadas e maravilhosas. Eu devia ter deixado Crash Bandiccot nessa categoria. Agora é tarde.

SWORD ART ONLINE RE: HOLLOW FRAGMENT (Playstation 4)

O jogo para PS4 é um remaster em HD do jogo de mesmo nome do PSVita. É um action RPG japonês baseado no universo do anime Sword Art Online. Assim como o anime o jogo é horrível.

Me odeiem!

YAKUZA 6: THE SONG OF LIFE (Playstation 4)

Jogo que encerra a história de Kazuma Kiryu é também o melhor deles. Assim como em seus predecessores, a história e clima sério evocado pela narrativa focada na máfia japonesa se misturam perfeitamente com as “japonesises”, criando uma experiência única.

O mundo aberto de Yakuza 6 é muito mais fluído e integrado. Boa parte dos loading times presentes nos games anteriores se foram e mais dos “mini-games” insanos integram o já bizarro e delicioso mundo de Yakuza.

Fiz o review de Yakuza 6: The Song of Life para o Game Hall. Para acessá-lo, clique AQUI.

HORIZON CHASE TURBO (Playstation 4)

Não somente um jogo 100% brasileiro, mas um senhor jogo de videogame. Horizon Chase Turbo é a versão de Horizon Chase, para mobiles.

Para a versão de consoles a desenvolvedora Aquiris adicionou carros, cenários, modos de jogo é músicas para maximizar o que já era bom.

Se Top Gear mexia com seu coração nos dourados anos 90, Horizon é o jogo para você. A estrutura de jogo é basicamente a mesma, em um claro caso de: “O simples bem feito é mais do que o suficiente”.

Fiz um review desse game para o Game Hall. Para acessá-lo, clique AQUI.

YAKUZA ZERO (Playstation 4)

Jogo que mostra acontecimentos anteriores ao primeiro jogo da franquia, Yakuza Zero é a melhor porta de entrada para os não iniciados na franquia.

Apesar de ser um prequel, ele se justifica totalmente no que cerne a roteiro, mostrando a evolução de personagens como Kazuma, Nishiki e em especial de Goro Majima. É muito interessante notar o como e os motivos que levaram Majima a se transformar no personagem que ela se mostra no restante de toda a franquia.

Possivelmente foi o jogo que mais me deixou feliz por ter jogado ano passado. Recomendado fortemente!

DmC: DEVIL MAY CRY DEFINITIVE EDITION (Playstation 4)

Criticado injustamente por milhares de fãs da franquia, DmC pode ser considerado um Devil May Cry ruim, mas nem de perto é um game de hack and slash ruim.

Aproveitando uma boa promoção da PSN adquiri a versão Definitive Edition que conta com melhorias visuais, no gameplay e finalmente roda a 60fps cravados. A dificuldade foi aumentada e removeram o ridículo chapéu que enfiaram no Vergil.

DmC é um dos raros casos em que realmente um relançamento faz valer a pena uma nova compra. Não deixe o “burburinho mimizento” lhe afastar de um ótimo jogo do gênero.

DEVIL MAY CRY 2 HD (Playstation 3)

Ao contrário de DmC, tudo o que se ouve falar de negativo desse jogo não só é verdadeiro, como insuficiente. O jogo é literalmente uma porcaria. Tentei jogá-lo novamente ano passado e apesar de finalizar a campanha de Dante, não suportei continuar a campanha de Lúcia.

E chega de falar dessa inhaca por aqui.

ON RUSH (Playstation 4)

Já que estamos na vibe de jogos competitivos, porque não um jogo de “corrida” focado em competição entre times, mas que não se preocupa com a linha de chegada, mas sim com pontuação e sobreviver à batalha?

Se achou o conceito bizarro, clique AQUI e entenda On Rush.

ZONE OF THE ENDERS: THE SECOND RUNNER HD EDITION (Playstation 3)

Relançamento remasterizado de um dos meus jogos favoritos para Playstation 2, bem como meu jogo de mecha favorito, ZoE2 me garantiu belas jogatinas em 2018 atrás da platina desse danado.

Deixo claro que a versão aqui jogada foi a de Playstation 3, não o re-relançamento feito para a atual geração de consoles, que possui como “vantagens” o não justificado altíssimo valor e o pífio suporte par VR.

METAL GEAR RISE REVENGEANCE (Playstation 3)

Inicialmente um projeto do próprio Kojima, Metal Gear Rise felizmente acabou nas mãos da Platinum que mostram aqui o porquê é a produtora mais competente para esse tipo de jogo da atualidade.

O jogo não é muito longo e a história é totalmente “fora da caixa” (mesmo para os padrões Metal Gear), mas a intensidade dos combates, chefes desafiadores e criativos, gameplay afiado e trilha sonora animal incentivam a jogá-lo várias vezes.

O jogo flopou bonito em vendas e pode atualmente ser encontrado a um preço baratíssimo para as versões de PS3 e Xbox 360. Infelizmente o jogo não ganhou relançamento para a atual geração, apesar de fazer parte dos jogos retro compatíveis para o Xbox One.

SPIDER MAN (Playstation 4)

Um dos grandes lançamentos do ano passado trouxe tudo o que eu esperava: um enorme mundo aberto, cenas scriptadas de ação incríveis, combates interessantes graças a utilização das habilidades do “cabeça de teia”, entre outros.

Infelizmente, Spider Man não trouxe nada além do que eu esperava dele, enquanto eu esperava algo maior.

Não me entendam mal, o jogo realmente é incrível, mas não traz nada de novo à mesa e isso me desapontou um pouco. Indicado a todos os danos de Playstation 4, mas não o indicaria a jogo do ano nem a pau.

ART OF FIGHTING COLLECTION (Playstation 4)

O nome já deixa claro sobre o que é esse aqui, uma coletânea dos três jogos da série Art of Fighting, direto dos Arcades.

Infelizmente Art of Fighting é uma franquia que não tem o reconhecimento que merece de boa parcela dos jogadores. O primeiro jogo trouxe inovações para os fighting games que influenciaram o gênero para sempre.

Quanto aos jogos em si não há muito o que dizer. Os jogos são representações fiéis de suas contrapartes nos arcades e valem a pena por seu fator nostálgico Infelizmente são jogos nativamente muito difíceis e com certeza frustrarão os não iniciados não só no gênero, mas nos jogos em si.

NIER: AUTOMATA (Playstation 4)

Um jogo de ação absolutamente revolucionário que merece todos os louvores que recebeu ao longo do tempo desde seu lançamento. Se ainda não o jogou, está passando da hora, em especial com a versão completa disponível para compra.

Vá jogar agora!

99 VIDAS (Playstation 4)

Pense em um jogo beat´n up 2D, simples, divertido e com multiplayer online totalmente funcional. Agora pense nisso tudo em um pacote 100% brasileiro.

99 Vidas é basicamente o Scott Pilgrim feito no brasil. Seu grande apelo (além do jogo ser divertido por si só) está no fato de seu enredo ser baseado nas histórias de vida dos integrantes do podcast gamer de mesmo nome.

Personagens e situações encarados pelos jogadores são referências diretas das histórias e acontecimentos dos programas do podcast, o que faz de 99 Vidas um deleite ainda maior para os fãs do programa.

Se tiver amigos para jogatinas, o jogo vale cada centavo investido nele.

SLEEPING DOGS DEFINITIVE EDITION (Playstation 4)

Relançamento remasterizado em HD do jogo da geração passada, Sleeping Dogs é um típico jogo Open World, com uma pitada de ação de filmes orientais. É reconfortante enfrentar um monte de inimigos se sentindo um mestre das artes marciais.

Caso o encontre a um preço promocional sua compra é muito recomendada, em especial pelo pacote incluir todos os DLCs do jogo original.

ULTIMATE MARVEL VS CAPCOM 3 (Playstation 4)

O relançamento de UMVC3 para Playstation 4 traz as mesmas virtudes e problemas (sim, estamos falando de você netcode) que o original possui. Esse hyper fighting nos tempos modernos nos mostra três coisas:

1 – O quanto o jogo realmente é divertido. 2 – O quanto ele é desnecessário com Dragon Ball FighterZ entre nós. 3 – O quanto Marvel vs Capcom Infinite é fraco.

Enfim, pelo valor em que paguei no jogo, valeu totalmente as jogatinas que tive.

SPACE CHANNEL 5 PART 2 (Playstation 3)

Um dos melhores jogos lançados no Dreamcast, já em seu estado terminal, Space Channel 5 Part 2 ganhou um belo relançamento em HD para Playstation 3 que eu não perdi tempo e adquirir.

Apesar de ser um jogo em que eu jogo várias vezes ao longo dos últimos anos, como não o havia incluído em nenhum dos Memes anteriores, achei fazer justiça nesse ano de 2019.

Um jogo único e divertido. Meu jogo rítmico favorito.

SHANK 2 (Playstation 3)

A continuação de Shank trouxe maior variedade de armas, de inimigos, de ambientes e de habilidades para o protagonista que dá nome ao jogo.

Não se engane com o visual cartunesco, Shank 2 é um jogo desafiador e que não terá nenhuma dó de quem não compreender suas mecânicas e a ele minimamente se dedicar.

RESIDENT EVIL 5 (Playstation 3)

É claro que eu não gastei dinheiro comprando a remasterização de Resident Evil 5. Trato aqui do jogo original, lançado para a geração passada de consoles.

Deixando algumas coisas claras aqui: Resident Evil 5 não é um bom jogo de ação, não é um bom Resident Evil e não é um bom jogo no geral. Ponto final.

Porque eu o joguei ano passado? Bom, Resident Evil 5 é um dos meus “guilty pleasures”. Simples assim. Me julguem!

ASTEBREED (Playstation 4)

A melhor maneira de descrever Astebreed é defini-lo como uma mistura de Einhander (alguém ai se lembra?), as partes shooters de Nier: Automata e Zone of the Enders 2. Se a definição parece estranha, a execução funciona muito bem nesse bom jogo índice.

O único ponto negativo é que o jogo é japonês, só possui dublagem japonesa e suas principais revelações de enredo se dão no meio dos tiroteios insanos que o jogo apresenta. É literalmente impossível ler as legendas e sobreviver.

O adquiri em uma boa promoção da PSN que o incluía e recomendo sua compra nessas condições.

GOD OF WAR 2 HD (Playstation 3)

É God of War 2 remasterizado em HD. O que mais preciso dizer?!

Nunca jogou God of War 2? Crie vergonha na cara e vai jogar. Aproveita e joga todo o resto da franquia!

GRAN TURISMO SPORT (Playstation 4)

A última versão de Gran Turismo foi lançado de maneira absolutamente incompleta, mesmo com o absurdo tempo que ficou em desenvolvimento. Sua versão inicial não chegava perto de valor o full price nele cobrado, simples assim.

Felizmente o suporte constante e competente da Polyphony Digital o transformou com o tempo em um jogo absolutamente digno da franquia.

Se possui um Playstation 4, curte um bom jogo de corrida / simulador e ainda não se decidiu pela compra de GTSport, estou aqui para te incentivar à compra. O jogo se transformou para melhor e as atualizações continuam cíclicas e relevantes.

FINAL FANTASY XV: ROYAL EDITION (Playstation 4)

Entre o lançamento de Final Fantasy XV e o da versão Royal Edition eu tive de vender a minha versão do jogo base. Resultado: achei melhor comprar a Royal Edition do que comprar novamente a verão base e todos os DLCs.

Não me arrependi por nem um minuto da compra. Joguei o game inteiro novamente e boa parte do conteúdo extra, sejam os DLCs pagos, sejam os conteúdos só de atualização mesmo.

Final Fantasy XV não é meu Final Fantasy favorito, mas estará sempre ao alcance das mãos para boas jogatinas.

Fiz a análise da versão base para o Game Hall. Para acessá-la, clique AQUI.

GOD OF WAR (Playstation 4)

É claro que joguei o jogo do ano de 2018. God of War traz ao mundo dos games o que acreditei ser impossível: uma reinvenção da franquia, cheia de elementos de gameplay novos, mas ainda assim mantendo, de alguma forma, intacto o espírito de seus antecessores.

Nunca o enredo e storytelling foi tão importante na série e poucas vezes ambos os elementos foram tão bem desenvolvidos e aproveitados em um game na história. Apesar de toda a violência explicita em cada cena, God of War é um jogo tocante e emotivo.

Se ainda não o jogou, pare de ler isso aqui agora, compre e vá jogá-lo. God of War é o tipo de game que vale a compra de um console apenas para jogá-lo.

DESTINY 2 (Playstation 4)

Com um lançamento marcado por inúmeras polemicas e decepções, assim como seu predecessor ele encontrou o seu rumo após as DLCs. Dito isso, Destiny 2: Forseken é fabuloso.

Ao final do ano de 2018, período em que a PSN deu a versão base de Destiny 2 para os assinantes da Plus, eu e mais dois colegas adquirimos Forsaken e essa foi uma das melhores decisões que tomei ano passado.

Com um PvP reorganizado, o bom modo Artimanha, novas Raids, novas armas e itens, Destiny 2: Forsaken é o jogo perfeito para o grupo de amigos que querem um jogo cooperativo para passarem horas e horas jogando e fazendo griding de levels e equipamentos.

O único ponto negativo é o valor do DLC Forsaken, que é bem salgado, e o fato de mesmo ele não dar acesso a todo o conteúdo do jogo (maldita seja, Activision).

Mal vejo a hora de colocar minhas mãos em um futuro Destiny, longe das garras imundas e maquiavélicas da Activision.

DRAGON BALL FIGHTERZ (Playsation 4)

Já deixar claro que nesse blog em outros textos o quão ansioso eu estava por Dragon Ball FighterZ. Ora, ele foi o jogo que salvou, para mim, a E3 de 2017 (AQUI).

O comprei no lançamento e mesmo sem poder jogar online, o joguei horrores off-line. Infelizmente o meu serviço de internet onde resido atualmente era uma bosta e não dava pra jogar quase nada online.

O jogo é tudo o que prometeu: o hyper fighting supremo.

Esse ano, agora com uma ótima conexão, estou focado em um outro fighting game, mas por certo voltarei a DBFZ para umas partidas furiosas online.

SHENMUE I & II (Playstation 4)

Eis os jogos que me trouxeram mais alegria em 2018. Sou um assumido fã da franquia Shenmue, já aguardando ansioso minha cópia física de Shenmue 3 para PS4, adquirida nos primeiros minutos de Kickstarter.

Era um sonho antigo meu que a Sega criasse vergonha na cara e relançasse ambos os games em HD, ainda para PS3 e Xbox 360. Graças ao burburinho criado em torno de Shenmue 3, a Sega finalmente resolveu lançar Shenmue I & II HD, mesmo que igual “a bunda dela”.

No lançamento vários bugs, em especial em Shenmue I, atrapalhavam a jogatina. Não somente bugs bobinhos, mas alguns que obrigavam ao reinício do jogo e até mesmo alguns crashes.

Com o tempo e alguns patches a maioria desses problemas foram sanados, só não posso afirmar que está tudo bem agora, pois joguei ambos os jogos no lançamento como quem não via videogame a décadas.

Mesmo com todos os problemas, revisitar essas duas obras primas de seu tempo provou o quão esses jogos são atemporais, confirmou o quão genial Yu Suzuki o é e dá justificativa plausível para o hype imensurável que o anuncio do Kickstarter de Shenmue 3 causou.


Finalizo aqui a minha participação, absurdamente atrasada, no “Meme Gamer 2018”. Peço desculpas pelo enorme atraso ao Marvox, que me convidou para participar, mesmo eu não tendo literalmente criado nenhum conteúdo para o blog em todo o ano de 2018.

Aproveito para convidar a todos que até aqui chegaram a acompanhar a participação do pessoal no “Meme Gamer 2018” pelos links abaixo.

===Blogs/Sites===

Blog MarvoxBrasil => Marvox
Arquivos do Woo => Cyber Woo
Desocupado => Paulo Victor
Gamer Caduco => Caduco
Gamerníaco => Eduardo Farnezi (você está aqui!)
Locadora Resident Ivo => Ivo Ornelas
RetroPlayers => Sabat
Vão Jogar! => sucodelarAngela
Vão Jogar! => Somari
Vão Jogar! => Rafael “Tchulanguero” Paes
Videogames com Cerveja => Felipe B. Barbosa

===Canal (YouTube)===

Aleskis o Alx => Alexis
5 Pixel – Games => Carlos Henrique
Jogatinas Saudáveis => Rodrigo Vigia

Gamer por paixão, cinéfilo por vocação, leitor de mangás e HQs por criação e nerd pela somatória dos fatores. Acredita que os únicos possíveis cenários de apocalipse são Zumbis e Skynet e não sai para noitadas por medo do que Segata Sanshiro pode fazer se encontrá-lo.

Marcado com: , ,
Publicado em Artigo
6 comentários em “Meme Gamer: O Que Você Jogou em 2018
  1. […] está aqui] Arquivos do Woo => Cyber Woo Desocupado => Paulo Victor Gamer Caduco => Caduco Gamerníaco => Eduardo Farnezi Locadora Resident Ivo => Ivo Ornelas RetroPlayers => Sabat Vão Jogar! […]

    Curtir

  2. Marvox disse:

    Cara, muito bom ver sua participação, gostei muito dos jogos citados. E estamos praticamente no mesmo barco, meu último texto antes do Meme 2018 foi o Meme 2017. Como as coisas são, né XD.

    Sobre os jogos, meu Tomb Raider favorito também é o 2. Gostei de saber que jogou Horizon Chase, Sleeping Dogs tem um review completo com as DLCs no MarvoxBrasil caso queira ler, realmente foi merecedor.
    Shank 2! Caraca, esse jogo é muito legal também. Quem não jogou, vale a pena mesmo conhecer esse momento inicial da Klei.

    Continue firme, Farnezi. Grande abraço!

    Curtido por 1 pessoa

    • Obrigado pela presença, mister Marvox!

      Esse ano vou tentar não deixar o blog sem absolutamente nada, mesmo que “a conta gotas”.
      Escrever me é basicamente uma terapia e escrever sobre o que mais gosto, um prazer. Ademais, e espero que isso não soe arrogante, gosto muito de alguns dos meus textos / temas tratados.
      Kkkkkkkkk!

      Vou lá com certeza ler sua análise do Sleeping Dogs.
      Adorei esse danado desse jogo!

      Curtido por 1 pessoa

  3. Fala Eduardo, beleza?!
    Acho que você foi o segundo do MEME que mais jogou coisa, acho que só perdeu para o Cadu que jogou coisa pra caramba >.<
    Mas de qualquer forma excelentes jogos na lista! Shows!
    Te todos eu tenho que jogar esse TOMB RAIDER que todo mundo tá falando que é bom!

    E se te interessar e quiser entrar na brincadeira do Horizon Chase, eu estou com alguns amigos disputando recordes de pistas no PS4. Se quiser me adicionar é só procura lá Ivo Ornelas =) Pena q esse jogo não tem um modo online de disputa! Seria divertido pakas!

    Bom é isso Eduardo!
    Grande Abraço e bora jogar em 2019!

    Curtido por 1 pessoa

    • Salve!

      Na verdade eu omiti os jogos mais “Old School” que joguei ao longo do ano.
      Nesses Memes sempre descubro que realmente jogo pra caralho.
      Kkkkkkkkk!
      No próximo Meme irei realmente listar TODOS os jogos que joguei ao longo do ano.
      O texto vai ficar gigantesco…

      Vou te adicionar na PSN sim.
      Não jogo há um bom tempo Horizon Chase Turbo, mas sempre é hora de recomeçar!

      Valeu pela visita!

      Curtir

  4. Gamer Caduco disse:

    Cara, o ano tá tão corrido pra mim que eu li o post na metade de setembro e comecei a fazer um comentário, salvei nos meus arquivos e esqueci completamente. Aí conversando com o pessoal sobre o Meme de 2019 acabei lembrando, que coisa! hahahaha
    Desculpe por isso.
    Vou comentar alguns jogos da lista, prometo fazer um comentário melhor no de 2019.
    Sonic Afventure 2: olha que bom, eu demorei pra comentar e já posso falar alguma coisa, pois comecei recentemente o jogo pela enésima vez, mas pela primeira vez jogando pra valer sem largar. Estou gostando, talvez não na mesma intensidade e paixão que vc mencionou no post, mas estou gostando. Se tudo der certo, ainda este ano eu posto alguma coisa sobre ele.
    Crash eu sempre achei chato, desde a época do PS1. Então acho que concordo com vc! hahaha
    Horizon Chase Turbo é exatamente o que vc descreveu, eu não tenho mais nada a acrescentar. Se tivesse mais tempo, pegaria a DLC e jogaria mais!
    DMC eu juro que não entendo. Joguei a demo e adorei, mas também nunca joguei pra valer os demais games, então não tenho todo aquele prisma de “estragaram meu jogo, meu personagem, o cabelo do meu personagem, meu “. Pretendo jogar um dia, talvez junto com o restante da franquia (longa história justifica o porque de eu não ter jogado). Mas falta o quê? Tempo, claro! haha!
    Spiderman eu não indicaria ao jogo do ano também, joguei este ano e achei incrível, mesmo sendo do time que não curte jogos em mundo aberto. Mas jogo do ano talvez seja um pouco exagerado. Ou seja, concordo com vc.
    Nier tá aqui no armário, lacrado, plastificado… um dia, quem sabe? Tem tempo pra me emprestar aí? rs
    O 99 Vidas eu me recuso a jogar por questões pessoais… kkkk
    Já Space Channel 5 é, talvez, o jogo que tenho mais curiosidade de jogar do Dreamcast. Explorei pouco a plataforma. Tanto o 1 quanto o 2. Aliás, eu acho que não sabia que tinha o 2 até ler seu post! haha
    Tinha separado o Shank 2 pra este ano, mas não consigo mais encaixar na lista. Gostei bastante do primeiro.
    O RE5 foi um dos coops mais divertidos que experimentei na vida, mas acho que gostei só porque joguei em dupla mesmo. Valeu mais pela companhia do que pelo jogo talvez… rs
    Adorei DBZ F também, mas não joguei ele online, só offline. Imagino a dor de cabeça de jogar com a galera que treina direto! rs
    E eu preciso jogar também os dois Shenmue, Ainda bem que já corrigiram os bugs, já vou pegar a versão “lapidada”. Só tenho um pouco de preguiça de começar pq acho que devem ser demorados pra dwdeu e… eu tô sem tempo! Já encheu o saco eu dizer isso, não? rs
    Valeu meu caro!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Arquivos
Categorias
%d blogueiros gostam disto: